A EscolaAtividadesAstrovivênciaAstrológicaPegasusCosmosAtendimento
Direção e Coordenação: Robson Papaleo      
Home
Cursos
Programação
Calendário
Central de Pesquisas
GaiaBrasilis
CBA´s
Sextas na Gaia
Pátio do Colégio
Centro Cultural
Galeria
Quem Somos
Cadastro
Como Chegar
Fale Conosco
Artigos



Nossa Terra Brasilis • Um Mapa Astrológico
Grupo GaiaBrasilis






“Lendas desde idades remotíssimas faziam referência à existência de uma ilha que seria o equivalente irlandês das Ilhas Afortunadas da mitologia greco-romana. Terra de leite e de mel que se localizava num ponto indeterminado dentro do Grande Oceano. 

Essas lendas asseguravam que “brasil” em gaélico, a língua primitiva dos povos da Irlanda, derivaria de “brés”, significando “nobre” ou “afortunado”, mas que também pode ser entendido como “feliz” e “encantador”.

Seja como for, descreviam-na como um paraíso na terra. Desta forma a palavra “brasil” preexistia à descoberta deste país do hemisfério sul, que a associavam ao pau-brasil, conhecido então como verzino, um pau-de-tinta cujo comércio era praticado pelos italianos com os indianos desde o século 13. Bem antes dos portugueses e espanhóis colocarem seus pés nas praias do litoral deste país, ou arribarem nas margens dos rios, a palavra Brasil já lhes alimentava a extravagância como uma praça de encantamentos, morada de seres fabulosos criados por Deus para assombrar os cristãos.

Havia, pois uma predisposição deles em maravilharem-se com tudo a ser visto por aqui, mesmo que preliminarmente não chamassem assim a terra descoberta.

Quem nunca acreditou que o Brasil fosse uma espécie de paraíso terrestre foram justamente os padres jesuítas, religiosos da época que ajudaram a colonizar essa terra. Não que não se deliciassem com a beleza das coisas, pelo céu azulcíssimo, a brisa gostosa da beira-mar e pela ausência daquele vento cortante gelado das Europas. É que para eles, homens de Deus, a safadeza aqui reinante era excessiva. A gente avermelhada sempre nua, com as impudências à mostra, o sorriso convidativo das nativas exalava a pecado e não a santidade, como disse um dos jesuítas chamado Anchieta.

Bastava-lhes ver o olho lúbrico do português, casanova dos trópicos, ávido de índias, descalçando-se, jogando-se nos riachos e nas ribeiras atrás delas na hora do banho, para perceberem que além de “quebrantarem as leis santas da mãe natureza e os divinos preceitos do Pai onipotente”, nem toda a água-benta do mundo purificaria a perdição e a sem-vergonhice do chão recém descoberto.

“Paraíso coisa nenhuma. Era, isso sim, a Terra do Diabo!” diziam os religiosos.


“História do Brasil” por Voltaire Schilling, www.educaterra.com.br/voltaire

Sempre ouvimos falar de Cabral...que inventou o Brasil. Sempre ouvimos falar de Dom Pedro...que libertou o Brasil. Sempre ouvimos falar do país do futuro... um país abençoado.Sempre ouvimos falar desta terra,uma espécie de Eldorado, Shangri-lá ou o paraíso terrestre tão falado na lenda irlandesa, nossa Terra Brasilis”. 
Para calcular o mapa astrológico de uma pessoa é registrado o momento da sua primeira respiração, pois é este o instante em que ela passa a existir como indivíduo. No caso de um país qual seria o momento em que ele passa a ter existência própria?

Esta é uma grande dificuldade quando tratamos de nações muito antigas, cujos nascimentos se perdem na história, mas no caso de nações mais recentes é possível identificar o fato histórico e seu respectivo horário que marcam de forma inequívoca que o país “nasceu”. 

Freqüentemente é utilizada a data e hora da assinatura da Ata de Independência, quando esta existe. Em outros casos utiliza-se a data de sua independência, de uma revolução ou mesmo de sua fundação.

Um fato histórico ocorrido às margens do Rio Ipiranga, na cidade de São Paulo, no dia 07 de setembro de 1822, às 16:08 hs da hora local, marca o momento em que se cortam os laços que uniam o Brasil a Portugal. A partir deste momento nosso país deixa de ser uma colônia e passa a existir como nação independente com todas as suas potencialidades e desafios a enfrentar. 

A análise mostra como o país funciona, com suas possibilidades e deficiências que precisam ser gerenciadas. O mapa astrológico do Brasil é um diagrama técnico dividido em 12 setores que abordam diversos assuntos que podem ser divididos em 4 grupamentos da Natureza:

FOGO •Trata do espírito do povo e sua manifestação através da arte, cultura, filosofia e ética, cidadania, auto-imagem e esportes.
TERRA •Assuntos relativos à economia, produção, sistema trabalhista, saúde, sistema previdenciário e administração pública.
AR • Educação, transporte, meios de comunicação, interligações regionais, relações internacionais, poder legislativo, partidos políticos e instituições não governamentais.
ÁGUA •Origem do povo, recursos naturais, formação e história, agricultura, território, dívida externa, corrupção, excluídos, sistema tributário, injustiças sociais, dificuldades, criminalidade, crime organizado e filantropia.

A partir desse publicação serão publicados regularmente trechos do trabalho de pesquisa elaborado pelo Grupo GaiaBraslis que estuda o Mapa Astrológico de Nascimento do nosso país.


** Texto extraído do CBA Especial 3 Anos • Nossa Terra Brasilis • GaiaBrasilis • Julho/2007

Conheça todo o trabalho de pesquisa adquirindo o
CBA • Caderno Brasileiro de Astrologia Especial 3 Anos


GaiaBrasilis é um grupo de astrólogos que se reuniu em 03 de fevereiro de 2002 às 11h44m, horário de verão em São Paulo, na Paulicéia Desvairada.
Nasceu com o objetivo de empreender pesquisas na área astrológica divulgando a produção da Astrologia no Brasil e suas relações com as artes, a cultura e a história.
Ao considerar (con= de acordo e sideral = estrelas, ou seja de acordo com as estrelas) a carta natal do Grupo GaiaBrasilis marca um forte idealismo e nacionalismo que busca sua realização com trabalho, coragem e pioneirismo.
O espírito empreendedor marca o compromisso de um trabalho social e o impulso para arriscar-se frente ao desconhecido.
Através desta linguagem fantástica que é a Astrologia buscam contribuir intelectual e criativamente na análise dos processos cósmicos, históricos, culturais, sociais, comportamentais desta nação.

• Nádia Cristiane de Oliveira
Astróloga, Geógrafa e professora da GAIA • Escola de Astrologia
• Patrícia Boni
Astróloga, jornalista e educadora. Professora da GAIA • Escola de Astrologia. 
• Robson Papaleo
Astrólogo, diretor e coordenador de cursos e eventos da GAIA • Escola de Astrologia, diretor do Centro Cultural Esotérico, formação em Arquitetura e Urbanismo, especialização em Patrimônio Histórico, Artístico, Arquitetônico e Cultural.

Conheça o
Grupo GaiaBrasilis

É proibida a reprodução total ou parcial, de qualquer forma ou por qualquer meio, sem permissão dos autores e editores. A violação dos direitos do autor (lei nº 9610/98) é crime estabelecido pelo artigo 184 do Código Penal.



voltar




© 2017 - Gaia Escola de Astrologia
Unidade SP - Rua Frei Eusébio da Soledade 74 - Vila Mariana - Cep: 04106-030 - São Paulo, SP - Tel: (11) 5084-3256